|||

O Imaginário de Matías Correa

Dentro de um arquipélago de jovens autores, o chileno Matías Correa (1982) é a ilha mais distante e extravagante.

Licenciou-se em Filosofia e iniciou-se como escritor em 2011, com a Geografía de lo inútil (Chancacazo), um livro onde desenhou as suas próprias coordenadas do estranho, uma condição que parecia afetar a sua geração: Se hoje está escrito de uma forma estranha, é porque, em algum tempo, aqueles que são descritos aprenderam a olhar para o mundo de uma maneira oblíqua, torta e estranha”.

Autoajuda (Chancacazo, 2014) e Alma (Penguin Radom House, 2016) são a flora e a fauna desta ilha, uma ilha que não deixa de questionar a juventude de hoje acerca de memória, felicidade e sucesso.

Up next Essência e Aparato Identidade e linguagem: a imperiosa necessidade de um dialogismo sócio-histórico
Latest posts GUIMARÃES - CIDADE VISÍVEL #1 A CONSTRUÇÃO ILUSÓRIA DO “EU”* China Short Stories #2 O sistema de rede: um novo paradigma A inevitabilidade dualista da relação corpo/mente A nostalgia do tempo ou a ausência do mito untitled El panteix, el desmai El que sento no pateix desgast de temps o tempo perdeu a poesia o olho que se fecha A falsa oposição entre cultura e técnica questões em torno da democracia digital Blade Runner — A Nostalgia do Futuro A experiência do sublime na obra de Caspar David Friedrich A nova geografia do espaço público nuvem de pó o meu primeiro trabalho Da Cibercultura às Indústrias Culturais Suportes digitais: memória ou esquecimento? Cibercidades: um novo espaço público? Moisés Mori Estenc la mà A dissonância concordante Fred G. Korth And Other Stories #1 Outras Luzes Pat Metheny em Guimarães 2012 Close to Home dança em debate Oblivion #1