|||

o meu primeiro trabalho

sombras

A sombra ilumina-me o rosto e provoca-me uma felicidade tonta. Não consigo parar de esconder o esboço de sorriso desde que ela apareceu, rompendo a manhã fria e húmida deste Inverno tenro, quando ainda a terra bebe as primeiras gotas de chuva. Há raios de luz que atravessam a neblina como agulhas perfurando algodão, esbarrando no vidro translúcido da janela do meu estúdio, onde, por estas horas, tento começar o meu primeiro trabalho.

Up next Da Cibercultura às Indústrias Culturais nuvem de pó
Latest posts A Heartbreaking Work of Staggering Genius pode um desejo imenso viagem ao interior do nada sábado que passou Unnamed Road (by Jungjin Lee) a rússia é eternamente fria A reprodutibilidade da obra de arte “virtual” The invisible Republic of the Internet Rosas danst Rosas GUIMARÃES - CIDADE VISÍVEL #1 A CONSTRUÇÃO ILUSÓRIA DO “EU”* China Short Stories #2 O sistema de rede: um novo paradigma A inevitabilidade dualista da relação corpo/mente A nostalgia do tempo ou a ausência do mito untitled El panteix, el desmai El que sento no pateix desgast de temps o tempo perdeu a poesia o olho que se fecha A falsa oposição entre cultura e técnica questões em torno da democracia digital Blade Runner — A Nostalgia do Futuro A experiência do sublime na obra de Caspar David Friedrich A nova geografia do espaço público nuvem de pó o meu primeiro trabalho Da Cibercultura às Indústrias Culturais Suportes digitais: memória ou esquecimento? Cibercidades: um novo espaço público? Moisés Mori