|||

o olho que se fecha

olho

O O L H O que se fecha. É com ele que sinto. O sorriso estampado no rosto que acompanha o movimento sincopado é o que recupero do que falta no lugar da minha memória. Vejo-me a mim próprio na sombra que de mim se projeta. Uma sombra maior do que o meu corpo, pois sou eu e mais tudo o que já vivi. Tapo o rosto e com ele a sombra. Há um olho que sente. Registo na memória aquilo que sou e faço. E é na luz que me desvaneço. Luz que é só a impressão do que fui, de uma intensidade colorida, cor de fogo embranquecido, expandindo-se no que resta de mim outrora. O que fica do que passa é sempre uma sensação ou uma boca aberta. O que fica do que passa é um jogo impressionista intimista e intenso. Cor que é feita de sombras e de outras luzes. Na total escuridão, o som propaga cada um dos pontos em que me revejo, numa energia de átomos em passeio aleatório”. Desvelam-me, por fim. A tela que se abre deixa atrás de mim uma marca de perenidade. E eu, boquiaberto, reconfiguro-me no tempo e no espaço. A minha boca é grito, desespero, sufoco, canto silencioso cuja tessitura é tão grande como a memória que transporto. O que fica do que passa questiona a forma como nos relacionamos com a memória. A memória como sensação. Uma dança onde o que vemos é o que provém de nós próprios. Do escuro, apenas impressões.

Up next A falsa oposição entre cultura e técnica o tempo perdeu a poesia
Latest posts GUIMARÃES - CIDADE VISÍVEL #1 A CONSTRUÇÃO ILUSÓRIA DO “EU”* China Short Stories #2 O sistema de rede: um novo paradigma A inevitabilidade dualista da relação corpo/mente A nostalgia do tempo ou a ausência do mito untitled El panteix, el desmai El que sento no pateix desgast de temps o tempo perdeu a poesia o olho que se fecha A falsa oposição entre cultura e técnica questões em torno da democracia digital Blade Runner — A Nostalgia do Futuro A experiência do sublime na obra de Caspar David Friedrich A nova geografia do espaço público nuvem de pó o meu primeiro trabalho Da Cibercultura às Indústrias Culturais Suportes digitais: memória ou esquecimento? Cibercidades: um novo espaço público? Moisés Mori Estenc la mà A dissonância concordante Fred G. Korth And Other Stories #1 Outras Luzes Pat Metheny em Guimarães 2012 Close to Home dança em debate Oblivion #1